Obrigada pela visita!

Archive for Agosto, 2010

Estante dos Sonhos: A primeira vez a gente nunca esquece

De Patricia Barboza, publicado pela Editora Ciranda Cultural.

É um livro gostoso de ler seja qual for o seu sexo, idade, religião…
Os mais novos vão descobrir, junto com as personagens (protagonistas masculinos e femininos), os mistérios da primeira vez (o primeiro amor o primeiro beijo, a primeira briga, a primeira barba, o primeiro sutiã, o primeiro regime, etc) e os mais velhos vão lembrar de quando aconteceu com eles.
A primeira vez de tudo é um grande mistério pra todos nós, até que… acontece!
Podem ser de diferentes maneiras e terem resultados totalmente opostos pra cada pessoa, mas todas tem algo em comum: é a primera. Todos temos medos, expectativas, inseguranças… E, quando passa, uns sentem alivio enquanto outros querem de novo.. são diversas reações, afinal todos somos diferentes.
Sempre achamos que somos os únicos a passar por tal situação, mas todo mundo passa um dia e no fim todos daremos boas risadas…
E a Patricia Barboza com seu livro “A primeira vez a gente nunca esquece” traz pra gente alguns desses momentos (embaraçosos ou não) contados de uma maneira super divertida. Aposto que você vai se identificar com algum deles.. 😉

Obs.: Patricia Barboza, autora de “Os quinze anos de Carol” e “Sai da internet, Clarice!” estará na Bienal de São Paulo lançando “Confusões de um garoto” e “Sete desafios”. Ainda não tive a oportunidade de ler, mas acredito muito no trabalho dela, então assim que eu puder falarei deles aqui com mais detalhes. Então se você já conhece o trabalho dela, corre pra lá. E se ainda não conhece não perca essa oportunidade.
Mais Informações: www.patriciabarboza.com

by Nath Souza

Eu no Escritoras Teens – por Caroline Custodio

Meus pés tocaram aquela água gelada. O sol queimava em minha cabeça não me deixando pensar direito. Deveria ser umas duas horas da tarde e eu acabara de sentar na margem daquele lago, como todo dia 16.

Então, uma brisa bagunçou os meus cabelos e eu consegui ouvir o seu sussurro percorrer a minha pele. Você estava lá e porque eu duvidara de que não iria? Suas mãos seguraram as minhas e você se sentou ao meu lado. Depois de ficar alguns meses fora, pensei que as coisas estariam diferentes quando eu voltasse. Mas meu coração me dizia para ir até lá, naquele lago, o nosso lago. Eu colocaria algum ponto naquela história: vírgula, retiscências ou até mesmo final.

Mas quando eu pude ver os seus olhos, eles brilhavam em minha direção, sua pele era quente sobre a minha e tive certeza de que seu sorriso ainda me pertencia. Antes de me deixar falar algo, você apenas me abraçou e disse que me amava. Não seria justo duvidar disso. Eu sabia que as coisas foram bastante duras desde que eu parti. Seu coração soava apertado e eu jurei nunca mais te deixar. Agora, colocaríamos mais um coração naquela árvore, a nossa árvore.

Mas a minha respiração foi cortada durante um segundo. Havia algo errado e eu não poderia fugir. A verdade deveria ser dita? Mas tudo mudaria, não? Fechei meus olhos e pensei nisso antes de sentir os seus lábios nos meus[continuação do texto, dividido em capitulos, no blog da autora]

Nome: Carol Custodio
Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=8455502379748416433
Blog: http://undmyclothes.blogspot.com/
Bio: Bailarina, ariana(mais pra peixes) e estudante de jornalismo com sonho de ser escritora. Anos 60, Disney e mpb. Amor verdadeiro, amizade e autoconhecimeto. Nada paciente, meio lerda e com gênio forte. Pin-ups, esmalte vermelho e Broadway.

Ser Pai…

OBS: Post de 2009.

Bom gente, desculpa o atraso pra postar.. eu sei que o Dia dos Pais já passou, mas queria deixar a minha homenagem. Esse é o texto do vídeo que eu fiz pro meu pai.

dad_kissing_baby

Eu não tenho como saber exatamente o que é ser pai… Talvez você me ajude, como sempre me ajudou a caminhar.
Ser Pai…
É esperar ansioso pela chegada e ao mesmo tempo muitas vezes se sentir impotente, pois o bebe ainda está na barriga.
É querer estar presente em todos os momentos..
O primeiro sorriso.
A primeira palavra.
O primeiro passo.
Não para vê-lo caminhar sozinho, mas para estender a mão e guia-lo.
É aprender com a vida…
Com os erros..
Mas é também errar tentando acertar.
É ver o filho andar por caminhos errados e muitas vezes não poder fazer nada.
Mas é estar ali para o ajudar a voltar ao caminho certo.
É ver defeito em todos os meninos que sua filha conhece.
Se tornar espectador e ter que aceitar.
É estar perto mesmo distante.
É partilhar alegrias e tristezas.
É parar tudo pra socorrer em um momento de necessidade. É chorar escondido pra não demonstrar fraqueza.
É dizer eu te amo através das broncas.
É se orgulhar de pequenas conquistas e transformá-las em grandes.
Tenho muito orgulho de você por tudo.
Eu posso muitas vezes não demonstrar o quanto te amo, mas agradeço a Deus pelo pai que me deu e não trocaria por nada nesse mundo.
Te amo!


Obs.: Esse texto segue o mesmo caminho do “Ser Mãe…”, que fiz pra minha mãe, só que contém coisas direcionadas diretamente pro meu pai, ao contrário do outro que era pra todas as mães.

by Nath Souza

Nuvem de etiquetas